HOME > Tênis de Mesa > História no Brasil
História no Brasil

Tênis de mesa no Brasil

As pesquisas que realizamos para fixar as origens levaram-nos a conclusões que não devem ser tomadas como definitivas, principalmente porque nos limitamos ao Rio de Janeiro e São Paulo, conseguindo nestes dois centros recuar até 1905. Entretanto, os dados coletados são verídicos, fornecidos pelo Sr. Lido Piccinini (SP), comprovados por recortes de jornais e outros documentos existentes nos arquivos destes desportos, a quem apresentamos nossos agradecimentos. Destas buscas surgiu a conclusão sobre a controvérsia brasileira – ping-pong x tênis de mesa – como dois desportos diferentes ou, como sendo um passatempo e outro desporto.

O que houve realmente foi que os iniciantes da prática no Brasil eram turistas ingleses que, mais ou menos em 1905, começaram a implantá-lo em São Paulo. O nome teria de ser ping-pong, pois a época era a da “epidemia” deste nome em Londres; as dimensões da mesa, os seus praticantes possuíam de memória e a contagem era a adotada na época, na Inglaterra, bem como o saque diretamente por cima da rede. O que aconteceu em seguida foi que o tênis de mesa brasileiro marchou sempre atrasado em relação ao mundial, por falta de contato até 1940.

Podemos fixar o ano de 1912 como o início das atividades organizadas do tênis de mesa, pois até então era praticado em casas particulares e em clubes. Naquele ano foi disputado o primeiro Campeonato por equipes em São Paulo, saindo vencedor o Vitória Ideal Clube. No ano seguinte venceu o Mackenzie, a ACM em 1914/1915, e o Atlético Ipiranga até 1922. O primeiro campeonato individual foi no ano do Centenário e o seu vencedor foi Júlio Alvizu, tendo sido disputado de acordo com as regras codificadas e publicadas por Leopoldo Santana. Em 1926, surgia a Liga Paulista de Ping-Pong, sendo seu primeiro presidente Lido Piccinni e seu primeiro campeonato oficial vencido pelo Castelões Futebol Clube.

Se o tênis de mesa entrou no Brasil pela porta de São Paulo, tudo indica que, inicialmente, teve sua marcha acelerada no Rio de Janeiro. Embora não tivéssemos conseguido dados preciosos, apuramos que em 1924 já se praticava no Vasco da Gama o desporto da bolinha branca e sua equipe e sua equipe era constituída por Adão, Luzitano, Carnaval e Lopes e que a Liga Carioca de Ping-Pong deve Ter sido fundada antes da Paulista pois, em 1926, a filiação do Ubá Ping-Pong Clube foi negada por não possuir o mesmo recinto fechado para a prática do desporto.

Em 1929, um jogador alemão Máximo Cristal chegou a São Paulo empunhando uma raquete com pino e venceu os ases de São Paulo e o “Ourives e Afins Soc. Recreativa” campeão do ano retirou-se da Liga fundando a Associação Paulista de Ping-Pong cujo primeiro foi Miguel Munhoz. Até 1938 marchou o ping-pong com altos e baixos em São Paulo mais ou menos controlado pelas duas entidades até 1934 quando a liga se extinguiu. No Rio de Janeiro sob a direção da Liga Carioca de Ping-Pong da qual faltam dados preciosos e, marchando mais à custa de iniciativas particulares, umas até de fundo comercial, pois na casa de jogos denominada Frontão faziam-se exibições pagas e um Sr. Faria possuía em 1932 um salão com quatro mesas alugadas por 500 réis a partida de 50 pontos. Por outro lado um grande idealista e competente desportista Joaquim Alves, à frente da seção do Clube Ginástico Português impulsionava o desporto, realizando jogos amistosos e disputas bem organizadas de Taças como a “Copa Lorenzo Nicolai”, de 1934, e a Taça “Ginástico Patriarca”, em 1932.

Embora tenhamos a convicção de que o intercâmbio Rio x São Paulo se fez anteriormente, a primeira informação segura obtida refere-se a 1932 e vale a pensa descrevê-la com os dados fornecidos por Luiz Brasil Freões pelo pitoresco de seus incidentes.

Nos primeiros dias de junho de 1932, a Liga Carioca de Ping-Pong e o E. C. Antártica resolveram disputar em São Paulo uma série de jogos. A equipe da liga era constituída por Hélio, Horácio, Nelson, Pizoti e Pindoba e a do clube pelos três últimos, mais Colosso e Luiz, que chefiariam as duas delegações. Dificuldades financeiras ameaçavam a excursão, mas a insistência de Pindoba obrigou os demais a embarcarem quase desprovidos de numerário no dia 8 de junho de 1932.

Antes não o tivessem feito e por isso não perdoaram Pindoba (a quem atribuímos o título de primeiro “secura” do tênis de mesa brasileiro), pois que em Cruzeiro o trem ficaria duas horas, mesmo levando no último vagão o general Meira de Vasconcelos e seu estado Maior, designado comandante da Região Militar.

Estouraria a Revolução Constitucionalista e, ao chegarem em São Paulo, em vez de desportistas a esperá-los, tiveram guarda de honra militar. E foi assim durante três meses. Tiveram que viver em São Paulo, amparados na medida do possível pelos desportistas da paulicéia, quer com alojamento nos salões dos clubes ou com presentes de mantimentos que tinham de ser preparados por eles próprios, quer com exibições de entradas pagas que quase nada rendiam, pois a época era de guerra. Contou-nos Luiz que uma série interminável de padecimentos eles sofreram, até ameaças à integridade por parte de elementos mais exaltados, um dos quais, ao receber de Luiz a resposta de que era gaúcho e não carioca, respondeu: “é a mesma coisa, eu quero é acertar alguém”.

Em 1937, o raquetista paulista Rafael Bolgna leu na revista “Life” uma reportagem do ás norte-americano Lou Pagliaro e constatou a diferença entre o tênis de mesa nacional e o praticado no estrangeiro. Mesmo com a colaboração do jogador francês Kurt Ortweilor, radicado em São Paulo, não obteve este desportista boa acolhida na Associação de Ping-Pong, mas, não esmorecendo, conseguiu que a colônia húngara, sob o patrocínio do Sr. Leon Orban promovesse a vinda ao Brasil em 1938 dos ases mundiais M. Szabados e I. Kellen. Apesar das diferenças das regras e das dimensões da mesa, Ricardo D’Angelo bateu Szabados perante cerca de duas mil pessoas, obtendo assim a primeira vitória internacional do Brasil.

Foi então que os desportistas brasileiros tomaram conhecimento das novas regras, pois também no Rio o ás carioca Guilherme Ferreira não quis enfrentar o húngaro em vista da diferença de regras e, juntamente com Lourival de Carvalho e Djalma de Vicenzi encetaram a campanha de adoção das regras internacionais.

Em 7 de novembro de 1940, o Clube Atlético Fazenda Estadual inaugurava a primeira mesa de tênis no Brasil, e a antiga Associação de Ping-Pong transformava-se em julho de 1941 em Federação Paulista de Tênis de Mesa. Em outubro deste ano, o C.A.F.E. vem ao Rio de Janeiro e disputa jogos pela nova regras com o Fluminense, Tijuca e Braz de Pina, levando Di Vicenzi a fundar em 10 de novembro a Federação Metropolitana de Tênis de Mesa na Sede do Tijuca Tênis Clube e apoiado pelos grandes clubes do Rio.

Em janeiro de 1942, os cariocas representados por De Vicenzi, A. Neves e G. Ferreira, além dos paulistas Bologna, F. Nunes e W. Silva, aprovam a tradução das regras e assinam convênios que levam à oficialização do Tênis de Mesa pela C.B.D. (Confederação Brasileira de Desportos). Em 1947, graças aos esforços de De Vicenzi, o Brasil participa do 3º Campeonato Sul-Americano e o internacional, tão indispensável para o nosso progresso, se intensifica com a idéia de Mário Jofre de participar dos mundiais – idéia que Dagoberto Midosi pôs em execução e que estes dois desportistas concretizaram com o auxílio de outros.

Fonte: Federação Paulista de Tênis de Mesa

Copyright © 2012-2015 NBCom Comunicação. Todos os direitos reservados.

Realização